"racismo" Textão

Precisamos falar sobre #zarazerou

Na verdade não precisamos coisa nenhuma, mas falarei assim mesmo.

Para quem não sabe, a Zara é uma rede de lojas que está nos holofotes da mídia depois de (algumas semanas atrás) uma delegada alegadamente negra ter sido barrada ao tentar entrar sem máscara em uma das filiais da empresa (ela estava tomando sorvete). A Polícia Civil do Ceará montou uma operação de guerra para “investigar” o caso: dezenas de policiais destacados: “Se uma policial que se identifica como negra é barrada em uma loja por estar sem máscara, só pode ser racismo. O que mais seria?”



Anúncios

Bem, o caso original foi há algumas semanas, mas hoje “vazou” na imprensa a “informação” de que a loja teria um código para alertar aos seguranças da presença de negros e pobres. Quando um negro ou pobre entrasse na loja seria acionado nos microfones o código “Zara zerou” e isto indicaria aos funcionários para que ficassem em alerta quanto à possibilidade de furto. Isso me remete a quem? É claro, a Thomas Sowell.

Em “Discriminação e disparidades”, Sowell faz uma útil classificação das formas de discriminação. Ele as divide em dois tipos: “Discriminação I” e “Discriminação II”. A primeira é a discriminação baseada em critérios pontuais para fins específicos. É aquela praticada por todos nós, o tempo todo: você discrimina ao decidir em que grupo de trabalho vai entrar na faculdade ou a qual funcionário vai dar um cargo de chefia ou com qual dos três atuais ficantes você vai investir num relacionamento sério. Você faz decisões profissionais, amorosas, acadêmicas entre pessoas escolhendo algumas e outras não para ocuparem esta ou aquela função.

A segunda é a discriminação praticada por quem aprendeu a odiar algum grupo aprioristicamente. É a discriminação promovida pelos neonazistas contra negros e judeus ou a praticada por você que bloqueou todos os seus amigos que votaram no candidato que você não queria nas últimas eleições. Não é de nenhum destes dois tipos de discriminação que estamos falando.

“COMO ASSIM, DANIEL? NÃO ERAM DOIS TIPOS?”

Sim. Mais ou menos. Thomas divide a “Discriminação I” em “Discriminação Ia” e “Discriminação Ib”.

A “Discriminação Ia” é praticada sob circunstâncias mais custosas e tende a ser mais objetiva: um concurso público, uma audição para um novo guitarrista da sua banda, uma entrevista de emprego, a decisão sobre se vai ou não ter um segundo encontro com a tinderela. Nestas situações você desloca um volume maior de recursos para analizar mais apropriadamente a pessoa: agenda um horário, prepara testes específicos, analisa demoradamente diversas variáveis, conversa durante horas.

A “Discriminação Ib” é aplicada por todos nós em situações em que não há recursos (tempo, materiais) para uma análise mais aprofundada do objeto. Imagina que você seja uma linda mulher loira casada com um belo homem preto e mãe de dois filhos mulatos. Nem fodendo que você é racista contra os negros, nem fodendo que você odeia negros e os quer longe de ti. Podendo escolher entre diversos homens você escolheu um negro para dormir ao seu lado e escolheu ter dois filhos mulatos com ele.


Anúncios

Acontece que nem sempre você tem meios de fazer avaliações objetivas de características específicas: às vezes você tem que ir no palpite, reagir no susto.

Imagine que, andando à noite no aterro do Flamengo, você veja dois adolescentes mulatos vestidos com camisa do Flamengo, de chinelo Kenner e de bermuda da Cyclone caindo pela cintura. Você está sozinha e acabou de pegar o celular novo na loja. Seu coração palpita, meu coração palpita, se os dois adolescentes se virem vindo na direção deles próprios o coração deles palpita também. Se você puder vai atravessar pro outro lado da calçada. Você discrimina com base em critérios de grupo que você já tem registrados a partir de experiências prévias de ter sido vítima ou testemunha de assaltos.

É isso que chamam por aí de racismo estrutural e é por isso que a socialistada cheirosa do Leblon diz que “todo mundo é racista”, mas isso não é racismo nenhum, nem mais estrutural, nem menos estrutural. E eu posso te provar.

Se as pessoas que estivessem vindo na sua direção fossem dois negros de meia idade, seu coração não ficaria acelerado e você seguiria caminhando normalmente. Se as pessoas que estivessem vindo em sua direção fossem mulheres negras pobres, seu sistema nervoso não daria um piripaque e você não mudaria de calçada.

Se o fato de que adolescentes negros ativam mais o seu SNAS que adolescentes brancos é racismo, o fato que que homens e jovens afetam mais o seu SNAS que mulheres e idosos é o quê? Sexismo contra homens? Etarismo contra os jovens? Ou falsa simetria?

O fato é que existe um perfil sociodemográfico típico para pessoas que cometem crimes urbanos contra o patrimônio. E você responde tanto instintivamente quanto racionalmente a ele. Por seja lá quais forem os motivos em que você queira acreditar, criminosos urbanos contra o patrimônio são geralmente jovens, geralmente do sexo masculino, geralmente pobres, geralmente barulhentos em grupo, geralmente negros.


Anúncios

Eu duvido de que a Zara tenha um alerta para a entrada de negros, ou de pobres, ou de homens. Eu duvi e d ó dó que se eu entrasse na Zara de Fortaleza o autofalante gritaria “Zara zerou”. E o motivo é simples, hoje eu sou um homem negro de meia idade com renda razoável o suficiente para me vestir “na média” de um típico frequentador de shopping. Eu também tenho um comportamento em público bem adequado à vida civilizada.

O que a Zara provavelmente tinha era uma alerta para a entrada de suspeitos, que geralmente são de um grupo demográfico (etnia, sexo, idade, classe social, costumes sociais, padrão de vestimenta) muito específico.

Quem me segue por aqui provavelmente não sabe, mas eu já fui morador de rua, mendigo mesmo. Meu pai me botou pra fora de casa quando eu tinha 9 anos. Já catei lixo pra comer. Minha adolescência e meu começo de juventude foram na extrema miséria. E até os meus 20 anos eu vivia sendo parado pela polícia.

Dos 13 anos até os 27 eu vendia bala no trem e no ônibus. Por volta dos 16 eu tinha uma coleção de camisas de time. A maioria delas eram falsificações baratas, mas uma era a oficial do Milan, da Lotto, coisa linda, gastei uns 15 dias vendendo bananada no Japeri pra comprar aquilo.

Era batata: eu metia minha camisa do Milan, saia na rua, a polícia me parava. Obviamente estranhavam um moleque com chinelo de dedo furado e com o pé sujo de asfalto vestindo uma camiseta que custava meio salário mínimo: era #zarazerou na hora: “Que que tem nessa mochila, moleque?”

Ficavam surpresos quando viam que só tinha paçoquita, bananada de abacaxi e bala juquinha. Nunca levei um tapa na cara. Nunca fui vítima de “falso flagrante”. Desde os 20 anos que só fui parado pela polícia uma vez, voltando da UFRJ à noite na passarela do Império Serrano.

Eu não deixei de ser preto, nem deixei de ser homem (os dois elementos demográficos mais visados pela polícia do RJ): eu deixei de ser adolescente socioeconomicamente miserável, e – portanto – de fazer parte do típico perfil das pessoas envolvidas com crimes contra o patrimônio.

Se você acredita que seguranças visam mais os negros por conta do racismo, você vai ter que acreditar que seguranças visam mais os homens por conta do sexismo e que visam mais os jovens por conta do etarismo. Ou vai ter que pedir arrego e clamar pelo socorro da “falsa simetria”, que sempre acode nestas horas.

Anúncios

5 comentários

  1. O que você está tentando comunicar? No caso da Zara, é que não houve racismo? Procurou conhecer o inquérito policial? Tem nele um conjunto de provas robustas de que a vítima foi tratada de forma diferenciada, vídeos, fotos, testemunhas e que, em nenhum momento ela se apresentou como delegada (o que deixou a loja à vontade para agir, inclusive, em desacordo com as normas do shopping). Qual a relação da teoria que você cita com o caso? E racismo estrutural está longe de ser alguém ter medo de ser assaltado por conta de sujeitos em situação suspeita. Sinto que você pratica o vitimismo/passivo-agressivo para ter legitimidade no seu discurso, o papo de sempre, “eu passei por isso, por aquilo, por aquilo outro, então, sei o que falo”. Não sabe. Como assim as pessoas devem se vestir e se comportar de forma adequada para não levar dura da polícia? Se um negro, por exemplo, estiver fumando maconha na rua deve ser parado pela PM? Mas porque o mesmo não acontece na zona sul com os locais que fazem isso? Bem, vc deve pensar que o negro tem até que levar tiro, uma vez que nem a liberdade do vestuário tem, imagine fazer merda de fato. Honestamente, acho louvável você se propor a ser cronista, nunca tinha ouvido falar de ti e, lamentavelmente, conheci da pior forma. Porém, é preciso muito mais do que esse lugar comum. Repare em seu texto, você não rima lé com cré. Fala de uma fato delituoso sem nem saber do inquérito. No fundo, você queria colocar pra fora algo que vem guardando em si, aparentemente de fundo emocional, e usa, além de uma distorção total de um fato, qualquer coisa pra sair vomitando algo para se mostrar do contra. Texto bizarro. Em tempo, cheguei em ti por preocupação. Um grupo de amigos me mostrou seu texto, penseo que eles estavam ironizando, mas estavam levando a sério. Fui ler e, ainda bem que são meus amigos, porque recomendar uma leitura dessas é coisa de pior inimigo. Du vi de o dó você conseguir ler os seus textos. Pratique isso, volte, revise, junte os fatos e as teorias ao que você trouxe como fundamento. Não vai conseguir, sem antes chorar de vergonha

    Curtido por 1 pessoa

    1. Isso! Bote pra fora. Arranque os cabelos. Morra de raiva. Depois que a raiva passar, releia com mais calma para descobrir “o que estou tentando comunicar”.

      E seja muito bem-vindo! Espero que leia os outros posts e comente sempre. Forte abraço.

      Curtir

    2. Ou seja, de uma forma prolixa, você só fez acusar o autor da matéria de ser um “capitão do mato” nos tempos modernos.

      Que tal focar-se menos na pessoa, e mais na ideia defendida?

      Ao invés de ficar tentando desabonar o escritor, que tal oferecer um contra-argumento ao que ele escreve?

      Curtido por 1 pessoa

    1. Eu não entendi onde a sua pergunta se conecta com o post, mas eu acredito tanto em mérito quanto em sorte, Ciro. Desconsiderando as formas criminosas de se “vencer na vida”, os seus resultados são pelos esforços que fez ou que deixou de fazer e também por coisas com as quais nasceu e pelas oportunidades que te foram aparecendo ou não ao longo da vida.

      Obviamente uma pessoa que nasceu muito bonita ou filha de uma família rica ou ainda numa família pobre bem estruturada teve certas facilidades que eu vou chamar aqui genericamente de “sorte”. Obviamente se outra pessoa nasceu numa família pobre ou numa família desestruturada ou nasceu feia ou nasceu com algum problema de saúde ela deve, provavelmente ter um caminho mais árduo e talvez não consiga as mesmas “conquistas” nem se esforçando muito.

      Entretanto, independente da sorte ao nascer, uma pessoa geralmente pode avançar mais ou avançar menos na vida a depender do esforço que faz ou deixa de fazer, e isso é mérito. A sua pergunta parece pressupor que sorte e mérito são mutuamente excludentes. Não são. Existem pessoas que nascem feias e pobres e em famílias mal estruturadas e que obtém algum (ou até muito) sucesso na vida.

      Quer um exemplo? Eu. Como já contei no post: nasci numa família muito pobre, totalmente desestruturada, morei na rua, revirei lata de lixo pra encontrar meio mamão que ainda tivesse “bom” pra comer, morei durante anos em um barraco de madeira coberto com saco de lixo. E hoje sou funcionário público, tenho ensino superior, estou cursando pós-graduação. Ainda sou pobre, mas vivo decentemente.

      Agora, você quer saber se eu sou tudo que eu gostaria de ser ou de ter sido? Se eu estou plenamente satisfeito com o que tenho? Se acho que conquistei o melhor do que eu poderia ter conquistado? Não, definitivamente não. Eu gostaria de ter sido muito mais do que sou, e tive oportunidades de ser, que não aproveitei.

      Parte do eu não ser o que eu gostaria de ter sido está em eu ter dado alguns azares na vida, mas também parte foi por más escolhas minhas. Por exemplo: eu sou muito perdulário, tenho muita dificuldade de economizar dinheiro, gasto e sempre gastei muito com coisas supérfluas demais e isso limitou limita o meu avanço tanto no sentido econômico quanto em outros. Outra coisa: eu sou muito procrastinador, deixo coisas urgentes para cima da hora e vivo perdendo oportunidades por conta disso.

      Então Ciro, a história que me trouxe aqui é uma soma de sortes e de azares, de esforços e de vacilos. Eu dei sorte em alguns aspectos, dei azar em outros, me esforcei por algumas metas, não fui tão esforçado em outras, tenho algumas qualidades, tenho alguns defeitos. E é da soma disso tudo que eu sou o que sou hoje. Óbvio que se eu tivesse nascido loiro de olhos azuis numa família bem estruturada e rica do Leblon eu poderia estar melhor, mas óbvio também que se eu não tivesse tido empenho em (contra todas as minhas dificuldades) correr atrás do estudo e tudo mais eu estaria pior, provavelmente ainda vendendo bala no trem (na melhor das hipóteses).

      Quando eu era adolescente, eu gostava muito de ouvir Racionais MCs, especificamente o álbum Sobrevivendo no Inferno. Neste álbum tem uma música que apresenta uma visão muito coerente com a minha percepção de “meritocracia”, posso dizer que de alguma forma ela ajudou a moldar o que eu seria hoje. Vou te deixar de recomendação e complementação da resposta. A faixa fala sobre um bandido que está morrendo, após ter sido baleado por um comparsa. E fala também sobre o irmão deste bandido. Se você não conhece a letra, sugiro. Mano Brown foi muito feliz nessa miniópera.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: